A missionária anônima

A primeira missionária do Cristianismo não era uma pessoa de destaque na sociedade de sua época, tampouco o seria hoje. Não era uma religiosa praticante. Até tinha uma vida irregular. Porém sabia que um dia o Messias, (isto  é, Jesus Cristo) viria, e tinha fé. Recebeu sua chamada de repente à beira de um poço, (onde tinha ido apanhar água).
 Após um breve diálogo com um judeu desconhecido sua vida mudou instantaneamente.  Aquele  desconhecido lhe mostrou que sua maior sede era espiritual e não poderia ser saciada com água do poço, mas somente com a água viva oferecida por ele.
 Após receber  a água viva, aquela mulher abandonou  seu cântaro (vaso para conduzir  água), e voltou à cidade anunciando que havia encontrado a fonte da água viva.
Essa história está  registrada somente no Evangelho de João, capítulo 4. Trata-se  da mulher Samaritana,  que não teve o seu nome revelado,  mas levou uma multidão ao encontro de Cristo. Essa história mostra a grandeza do amor de Deus e também que ele não faz  acepção de ninguém.
 Jesus estava viajando da Judéia para a Galileia e deixou a estrada mais fácil que era seguir pela planície às margens do Rio Jordão, seguindo por um caminho mais difícil e perigoso por entre as montanhas, apenas para passar pela cidade de Samaria, cujos habitantes eram inimigos dos judeus, porque sabia que o povo dessa cidade necessitava  de beber da água viva.

E você já bebeu dessa água? 
É a única que pode saciar a sede do seu espírito.
Não há nenhuma outra coisa que a substitua.

Que Deus te abençoe.


Pr. Vicente Deodato.

A Casa sem Alicerce

Na carta aos Gálatas, o apóstolo Paulo enfatiza  que a única forma de uma pessoa ser justificada é pela fé em Jesus Cristo, Gálatas 2.16.  Nem pelas obras da Lei, nem pelas próprias obras ninguém consegue se justificar diante de Deus.  
É impressionante  a quantidade de pessoas que insistem em ser justificadas e salvas pelas próprias obras. E na maioria são pessoas que frequentam diariamente a igreja. Elas mesmas inventam um conjunto de regras estranhas à Bíblia e passam a proclamá-lo como condição essencial para a salvação. 
Chegam até a afirmar que quem não anda de acordo com tais regras não poderá alcançar a salvação. Por algum tempo conseguem manter tais regras, mas como as mesmas carecem de base bíblica se desmoronam. Isso nos faz lembrar da parábola do homem imprudente que construiu  uma casa sobre a areia. 
Na primeira enchente que veio a casa se desmoronou. Mateus 7.26-27. 
O único alicerce capaz de segurar nossa casa espiritual é a fé em nosso Senhor Jesus Cristo. 
Não existe nada que possa substituir a fé.  

Que o bom Deus Continue nos abençoando.  

Saúde e Paz. 

Pr. Vicente 

Agora o diabo leva a culpa.

Tornou-se um hábito comum entre as pessoas, especialmente entre os cristãos, colocar a culpa no diabo quando alguma coisa não sai conforme o planejado. O problema é que a pessoa não consulta a Deus antes de fazer seus planos e tomar suas decisões. Aí quando a coisa não sai conforme as expectativas, e a pessoa dá com a cara no muro, joga a culpa pra cima do diabo! Falta coragem de assumir que a causa do problema foi o próprio desatino e precipitação e então lá vai a culpa para cima do diabo! A Bíblia orienta muitíssimas vezes que para evitar essas decepções, antes de planejar e decidir algo, a pessoa deve refletir e buscar orientação de Deus. Caso contrário as chances do empreendimento dar certo são mínimas. Até Josué que tinha voz ativa com Deus, no dia em que deixou de consultá-lo e decidiu por conta própria foi enganado; Josué 9.3-16. O que sobra então para qualquer um de nós? Portanto antes de tomar decisões é indispensável orar e buscar orientação de Deus! Algumas decisões são determinantes para o resto da vida. Portanto não se precipite, para que depois  viva o resto da vida cansando aos irmãos e  a Deus com suas lamúrias e acusando o diabo por por um infortúnio, cuja culpa é exclusivamente sua! Que Deus te abençoe! Leia a Bíblia e ore todos os dias.          Saúde e Paz.  Pr. Vicente Deodato

Amor-próprio

"Somente estaremos capacitados a viver junto com outra pessoa no momento em que soubermos viver sem a presença dela. 
Corra o mais rápido que puder de pessoas que desejam fazer você feliz. 
Se permitir que elas o façam, então também causarão tristeza, porque você se tornará um boneco nas mãos delas. 
Encontre a felicidade em si mesmo e somente depois a compartilhe com os outros que, por sua vez, também tenham  encontrado o amor-próprio." 

- do livro "The Gospel of Tomas", de Ron Miller.

Um pedido indecente

Então alguns mestres da Lei e alguns fariseus disseram a Jesus: Mestre, queremos ver o Senhor fazer um milagre. Mateus 12.38 (Nova tradução na Linguagem de Hoje). Esse foi talvez o pedido mais absurdo que Jesus ouviu durante seu ministério terreno. Nem o pedido de dois dos seus discípulos, que queriam sentar-se um  a direita e outro a esquerda de Jesus, no seu reino celestial foi tão incômodo.  Jesus já havia feito um número enorme de milagres, a ponto de sua fama ter se espalhado por todas aquelas terras, quando chega um grupo pedindo para ver um milagre. Jesus  percebeu que aquele grupo de doutores da Lei estava atacado de uma enfermidade que  podemos chamar de SIEC* (síndrome da incredulidade espiritual crônica). Jesus não encontrou outra solução a não ser cortar o assunto pela raiz. Eles estavam infectados pela mesma doença que levou o Faraó do tempo de Moisés a se afogar no mar vermelho juntamente com seu exército. Jesus não pode curá-los, porque a falta de fé deles não permitia. Jesus sabia muito bem, que naquelas condições nem mil milagres seria o suficiente para que cressem, portanto  não receberiam mais nada a não ser o sinal do profeta Jonas.  Infelizmente essa doença não foi  ainda erradicada. Quando participamos de orações coletivas, ouvimos sem querer expressões embaraçosas, como por exemplo:  Faça alguma coisa Senhor, mostre que o Senhor é Deus!  É lógico que Deus não responde tal  palavra. Se Deus fosse responder ele diria para tal pessoa: O que mais você quer que eu faça? Tal atitude  dá a entender que para essa  pessoa possa crer em Deus é necessário que ele faça o que ela quer!  Não adianta desafiar a Deus para que ele faça a vontade de alguém.  É um desrespeito com Deus, exigir que ele prove alguma coisa para nós. Peçamos a Deus que nos livre de sermos contaminados por essa terrível enfermidade (a incredulidade). 

Graça e Paz. Pr. Vicente


*Obs. Essa doença não está catalogada no CID (Código Internacional de Doenças)